Bauhaus

A Escola Bauhaus

Uma das maiores influências no design do século XX, a Bauhaus foi uma escola de arquitetura e artes aplicadas baseada na Alemanha. Ela existiu em um curto período de tempo, de 1919 até 1933, tendo base em Weimar até 1925, se mudando para Dessau, onde ficou até 1932 e finalmente se mudando para Berlim, onde viveu seus últimos dias.

O nome responsável pela fundação da Bauhaus foi Walter Gropius, arquiteto visionário que uniu em sua instituição a ideia de duas escolas tradicionais na Alemanha, a Academia de Artes de Weimar e a Escola de Artes e Ofícios de Weimar. Bauhaus foi assim chamada a partir da inversão da palavra Hausbau, que significa algo como “construção de uma casa”, na língua germânica. A ideia era conciliar os conceitos de arquitetura com o das artes e aplica-los de forma a diminuir, ou até eliminar as barreiras práticas entre as duas atividades.

Essa não era uma ideia completamente inovadora por parte de Gropius. A proposta de aproximação entre a construção e as artes mais tradicionais já tinha sido levantada durante o século anterior, mas o formato proposto pela escola alemã tornou essa realidade mais possível a partir de uma consciência clara do momento em que viviam, o chamado espírito da época, ou zeitgeist, se quisermos deixar esse texto ainda mais alemão.

Gropius via com bons olhos o viés futurista que o início do século XX apresentava e por isso pensava que a produção em massa e o uso de máquinas deveria estar diretamente relacionado à atividade criativa de Bauhaus. Uma das diretrizes era a produção em massa de objetos funcionais e esteticamente agradáveis, com vias de popularizar o design inovador em detrimento dos itens individuais de uma elite abastada.

Uma das características do ensino na Bauhaus era o foco na capacidade prática de seus alunos, uma vez que, antes de serem admitidos nas oficinas, eles deveriam passar por cursos preliminares onde aprenderiam ofícios para operar com diversos materiais como madeira, metais, cerâmica, vidros, tecelagem e vários outros. Esse viés prático era imprescindível para a concretização do ideal de Gropius.

A Bauhaus incluiu entre seus professores vários artistas destacados do século XX. Além dos acima mencionados, alguns de seus professores foram Paul Klee (vitrais e pintura), Wassily Kandinsky (pintura de parede), Lyonel Feininger (artes gráficas), Oskar Schlemmer (stagecraft e também escultura), Marcel Breuer (interiores) , Herbert Bayer (tipografia e publicidade), Gerhard Marcks (cerâmica) e Georg Muche (tecelagem). Um estilo geométrico severo, mas elegante e realizado com grande economia de meios foi considerado característico da Bauhaus, embora de fato as obras produzidas fossem ricamente diversas.

A Bauhaus tinha influência de longo alcance. Seus produtos de oficina foram amplamente reproduzidos e a ampla aceitação de projetos funcionais e não ornamentados para objetos de uso diário deve muito ao preceito e ao exemplo da Bauhaus. Os métodos e ideais de ensino da Bauhaus foram transmitidos em todo o mundo por professores e alunos. Hoje, quase todos os currículos de arte incluem cursos de fundação em que, no modelo da Bauhaus, os alunos aprendem sobre os elementos fundamentais do design. Entre os mais conhecidos esforços educacionais inspirados na Bauhaus estava a conquista deMoholy-Nagy , que fundou a New Bauhaus (mais tarde renomeada como Institute of Design) em Chicago em 1937, mesmo ano em que Gropius foi nomeado presidente da Harvard School of Architecture. Um ano depois Mies mudou-se para Chicago para dirigir o departamento de arquitetura no Instituto de Tecnologia de Illinois e, eventualmente, projetou seu novo campus.

A escola existiu por um curto período de tempo devido ao contexto vivido por seu país de origem durante suas primeiras décadas de existência. Gropius deixou o comando em 1928, sendo sucedido pelo suíço Hans Meyer. Com a ascensão do Partido Nazista na Alemanha na década de 1930, a Bauhaus passou a ser vista como um ponto de interesse do regime totalitarista que viria a se instalar. As pressões governamentais se tornaram cada vez mais evidentes e em 1930, o arquiteto Mies van der Rohe assume a gestão da escola sob forte influência dos nazistas.

A escola é fechada pelo regime em 1933 e vários de seus professores conseguiram evadir da Alemanha antes da consolidação do totalitarismo do regime de Adolf Hitler. Essa diáspora foi essencial para que os conceitos e ideias da Bauhaus fossem difundidos ao redor do mundo e a escola, mesmo fechada, se consolidasse como um dos pilares do design do século XX sem ter sido soterrado pelo autoritarismo atroz do terceiro reich.

Capa da Revista Bauhaus, 1928
Capa da Revista Bauhaus, 1928
Add to cart